Recomendação sobre a violência no namoro

Na última reunião de câmara, realizada a 16 de Fevereiro de 2016, os vereadores do nosso Movimento apresentaram uma Recomendação, na senda da comemoração do Dia dos Namorados e dos preocupantes dados sobre violência no namoro.

Um estudo recente promovido pela UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta revelou que uma inaceitável percentagem de 22% dos jovens inquiridos no âmbito consideram “normal” essas ocorrências.

Justifica-se asim a recomendação para que fosse assumida pela autarquia uma aposta efectiva na prevenção deste tipo de situações, fruto de abordagens comunicacionais muito direccionadas para este estrato etário, por forma a restaurar um paradigma relacional de profundo respeito mútuo.

Conheça aqui a nossa recomendação na íntegra.

RECOMENDAÇÃO

  • Considerando a recente comemoração do Dia dos Namorados e a circunstância do tema do namoro ter, por razões fundadamente preocupantes, sido alvo de um estudo cujas conclusões foram há poucos dias conhecidas, referindo-nos em concreto ao Estudo realizado pela UMAR (União de Mulheres Alternativa e Resposta) envolvendo 2.500 jovens;
  • Considerando que o aumento da violência no namoro a par da legitimação da mesma por um número significativo de jovens são duas das constatações, com uma expressiva percentagem da amostra – 22% - a considerar “normal” algumas das formas de violência;
  • Considerando que esta é uma realidade constrangedora que nos deve obrigar a reflectir e a equacionar modelos que possam contribuir para um gradual e imperativo aligeiramento desta tendência e disfunção social, pelos riscos que encerra em termos de perpetuação e de reprodução do modelo em fases mais adiantadas da vida, com a conjugalidade a poder exponenciá-lo;
  • Considerando que pelo lado positivo, apenas a constatação de que os jovens estão a ficar cada vez mais informados sobre o que é a violência, o facto de ser crime e de poderem procurar ajuda especializada;
  • Considerando que importaria reforçar abordagens que tendencialmente alertassem para a importância dum namoro baseado no respeito e que não conjugasse o prenúncio de formas de violência como aquelas que preocupantemente mancham o viver de muitas famílias, com um número de mortes inaceitável e que são em muitos casos presenciadas pelos filhos, arriscando a que eles próprios reproduzam tais desregulações relacionais;
  • Considerando que a co-autora do estudo em questão, a criminóloga Cátia Pontedeira, defende a grande necessidade de trabalhar estes temas com os jovens, alinhando com a opinião de diferentes especialistas e de outros, como nós, que não o sendo, acompanham com fundada preocupação estas tendências;
  • Considerando, assim, que neste âmbito, adquiriria uma especial relevância uma aposta efectiva da autarquia no acompanhamento destas situações, zelando pelo investimento em comportamentos conformes com um relacionamento mais saudável que evitasse a já referida e tendencial perpetuação de tais modelos, com as CPCJ a poderem aqui assumir um papel decisivo;

Recomendamos:

  • O estabelecimento de protocolo com a UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta para desenvolvimento de projecto na área de prevenção primária da violência de género, nas escolas do 2º Ciclo e eventualmente também do 1º ou, não se revelando possível tal abrangência, em territórios educativos mais vulneráveis;
  • A organização duma exposição itinerante pelas diferentes escolas do 3º Ciclo e do Secundário a partir dos conteúdos das campanhas dinamizadas pela APAV tendo como destinatários os mais jovens, caracterizadas por abordagens comunicacionais muito direccionadas para este estrato etário e com eventual acompanhamento de acções de sensibilização dinamizadas por especialistas, fruto de protocolo para tal firmado com a Associação em causa.

A presente recomendação funda-se na convicção de que se trata de modestos contributos, mas que representarão passos para instituir uma cultura de maior respeito relacional, adquirindo uma especial relevância quando a tão recente comemoração do Dia dos Namorados nos convoca, necessariamente também, para o lado mais obscuro que o estudo revela e que ensombra também necessariamente a plêiade de manifestações românticas associadas a esta data.

Paços do Concelho, aos 16 de Fevereiro de 2016
Os Vereadores eleitos pelo Movimento “Sintrenses com Marco Almeida”

 

TOPO