Marco Almeida defende extensão do Metro para o Hospital Amadora-Sintra

No dia 11 de Abril, Marco Almeida reuniu-se com a Presidente da Câmara Municipal da Amadora, Carla Tavares, para analisar medidas para os 2 concelhos da Área Metropolitana de Lisboa. O autarca de Sintra defende a necessidade de ser avaliado o prolongamento da linha do Metropolitano de Lisboa até ao Hospital Professor Fernando Fonseca, Amadora-Sintra.

O encontro entre Marco Almeida e Carla Tavares incidiu sobre as opções estratégicas que se impõem nas áreas da habitação, saúde e transportes públicos, tendo em consideração os interesses comuns das comunidades locais de Sintra e da Amadora.

Nesse sentido, Marco Almeida salientou que «o Metropolitano de Lisboa deve ponderar a viabilidade do prolongamento da Linha Azul para o Hospital Amadora-Sintra, restando agora que seja tomada uma decisão política que viabilize a sua concretização». Trata-se, acrescentou, de uma «medida essencial» na área dos transportes públicos, que permita superar a fragilidade existente ao nível dos movimentos pendulares comuns aos 2 concelhos.

Após a reunião de trabalho, que decorreu na autarquia da Amadora a pedido de Marco Almeida, o vereador e candidato à Presidência da Câmara Municipal de Sintra referiu que foram também abordadas as questões relacionadas com os serviços prestados pela empresa Vimeca e pela CP, no sentido de melhorar a articulação entre os vários operadores e de garantir que os utentes serão devidamente servidos, principalmente nos picos horários de maior afluência.

Também a questão relativa às competências ao nível dos transportes na Área Metropolitana de Lisboa foi tema da reunião.

Na área da habitação, Marco Almeida partilhou a preocupação relativa a situações de habitação social comuns, nomeadamente nas políticas de realojamento das populações mais necessitadas.

«Os problemas que dizem respeito às comunidades de ambos os concelhos devem merecer um entendimento fácil entre os autarcas, cuja principal missão é resolver problemas concretos», concluiu Marco Almeida.

TOPO