Trabalhadores não docentes da EB1/JI de Monte Abraão, concelho de Sintra, distrito de Lisboa, concentraram-se desde as 9h de hoje em frente a este estabelecimento de ensino para reivindicar o reforço de funcionários.

Em declarações à agência Lusa, a delegada sindical Custódia André explicou que a situação no Agrupamento de Escolas Ruy Belo (com três estabelecimentos) é semelhante à de quase todas as escolas do país: “Faltam funcionários. Estamos a falar de 692 alunos, 61 dos quais são crianças com necessidades educativas especiais. Somos 14 funcionários apenas na EB1/JI, mas só nove é que estão ao serviço, porque temos pessoas na mobilidade, outros de baixa e licenças”, afirmou.

De acordo com esta delegada sindical, já foram feitos vários contactos com a Câmara Municipal de Sintra mas as respostas são sempre as mesmas: a autarquia está a cumprir os rácios. “Estão a cumprir os rácios, mas depois mandam funcionários para a mobilidade”, salientou.

Hoje termina também a greve de funcionários não docentes da Escola Secundária de Mem Martins, concelho de Sintra, cuja paralisação dura há quatro dias entre as 7h e as 10h, estando o estabelecimento de ensino encerrado durante este período.

Em causa está também a falta de trabalhadores e a “necessidade urgente do seu reforço”. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas, nem a Câmara Municipal de Sintra, que vai passar a gerir as escolas secundárias do concelho, nem o Ministério da Educação atuam para resolver a falta de funcionários.

As escolas secundárias que ainda estão sob gestão do Ministério da Educação vão passar a ser geridas pela Câmara de Sintra a partir de janeiro.