Na reunião de Câmara que se realizou nesta quarta-feira, dia 7 de abril, os vereadores Marco Almeida e Andreia Bernardo (PSD) abstiveram-se na votação da proposta relativa ao lançamento do novo concurso para a construção do “Hospital de Proximidade de Sintra”, anunciado pelo Presidente de Câmara em 2017, com a promessa que seria inaugurado em janeiro de 2021 e um custo de 30 milhões de euros.

A verdade dos factos é que depois ter sido lançado um primeiro concurso internacional para a sua construção pelo valor de 40 milhões de euros, a proposta de menor valor recebida foi de cerca de 45 milhões de euros.

Para este novo concurso agora lançado, com um valor superior, agora de 50 milhões de euros, a Câmara de Sintra socorreu-se do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) para a “aquisição de serviços destinados ao estabelecimento de um preço base do procedimento concursal da empreitada de construção do novo Hospital de Proximidade de Sintra”, ao abrigo de uma adjudicação de 19.500 euros aprovada na reunião de Câmara de 12 de fevereiro deste ano.

“ …a ideia é pôr o Laboratório Nacional de Engenharia Civil a dar-nos um elemento para podermos gerir o preço e estarmos tranquilos em relação ao que venha a acontecer.”
Basílio Horta – Reunião de Câmara de 12 de fevereiro de 2021

Embora tenha sido este o documento que orientou o Presidente de Câmara a subscrever a proposta de 50 milhões de euros, lamentamos que este relatório do LNEC não tenha sido também partilhado com os vereadores.

Em suma, prometido durante a campanha eleitoral de 2017, continuamos sem saber quando será construído o Hospital de Proximidade de Sintra e o seu custo inicial de 30 milhões de euros, passou, por agora, para 50 milhões.